Introdução ao DLNA – Abrindo caminho para serviços dentro de uma casa conectada

Dois obstáculos ajudam a explicar porque poucos equipamentos eletrônicos funcionam em rede. Primeiro, redes domésticas tem uma cobertura bem pequena do que se possa imaginar. Segundo, padrões que permitam que os dispositivos, como TVs e Stereos, se comuniquem tem aparecido bem lentamente.

Digital Living Network Alliance (DLNA) tem mudado o jogo. Criado em 2003 pela Sony e Intel e chamado originalmente de Digital Home Working Group o DLNA tem por objetivo promover a operacionabilidade com e sem fios de PCs, equipamentos eletrônicos e dispositivos móveis.

Atualmente, 220 companhias suportam a Aliança, incluindo os 10 maiores fabricantes de equipamentos eletrônicos e os dez maiores fabricantes de chips. Vinte e cinco companhias são “membros promotores”, incluindo Comcast, que se juntou em Março 2007 através da New Media Development Group. A Time Warner Cable é listado como uma companhia membro. A Aliança atingiu o ponto de maturidade no qual vários dispositivos foram certificados com o logo DLNA, o que significa que esses produtos funcionarão com outros produtos certificados de outros fabricantes. A Aliança tem também quatro laboratórios de testes nos Estados Unidos, Japão, Bélgica e Taiwan, e parece estar preparada para uma grande procura de dispositivos que busquem a certificação.

O que é DLNA?

Como um padrão de comunicação entre equipamentos eletrônicos, o DLNA representa o conteúdo da negociação e partes compartilhadas do padrão mais amplo UPnP (Universal Plug and Play) que lida com a intercomunicação no baixo nível entre dispositivos ligados em rede.

Um dispositivo DLNA funciona como qualquer outro dispositivo em rede, através da descoberta de outros hosts DLNA, mas em seguida parte para aprender seus recursos e expor esses recursos na saída do painel de controle do dispositivo. Através do DLNA, um servidor de mídia pode ser localizado e em seguida convocado para rodar ou mostrar uma foto familiar, um filme, arquivo de música, etc. Esse é o âmbito da versão 1.0 da especificação do DLNA.

Pense no servidor DLNA como um DVR multi-sala com esteroides. Além disso, é um que um assinante pode comprar dentre vários dispositivos de uma série de fornecedores. De fato, a segunda especificação do DLNA (1.5), lançada em 2005, define 10 novas classes de dispositivos.

No futuro, como um recurso técnico do DLNA e expansão do vocabulário, a especificação adicionará impressão de mídia e a habilidade de colocar imagens em um NAS (network attached storage), gerenciar mídia com um dispositivo móvel, e um aumento na qualidade de serviço entre dispositivos. Porém, um consumidor que comprar, digamos, um tocador de Blu-Ray certificado no DLNA e expô-lo a um servidor de mídia doméstico, já pode facilmente alterar entre um filme em alta definição e alguma outra mídia acessível pela rede da casa.

E daí?

Por décadas, equipamentos eletrônicos não funcionavam juntos, então porque isso deveria mudar agora? Por que já está mudando. Considere a interface HDMI. Antes dele, cada fabricante desenvolvia seus cabos e métodos de sinalização proprietários (ex.: o HDAVI da Panasonic e o SR da Pioneer). que nunca eram compatíveis.

Com o DLNA, a indústria de eletrônicos é trabalhando junta novamente, usando padrões de rede (Ethernet) e teste de interoperabilidade para usar o logo DLNA. O uso do Ethernet permite ao fabricantes de eletrônicos desenvolver equipamentos sobre padrões, silício e conhecimento existentes de forma a permitir um desenvolvimento rápido.

O vocabulário do DLNA e a base instalada devem se expandir dramaticamente nos próximos anos por causa do interesse crescente em conectar equipamentos eletrônicos em casa, especialmente por que o DLNA é um recursos desejável em qualquer dispositivo eletrônico que tenha uma entrada para Ethernet ou possua conexão Wi-Fi.

Assim como operadoras tem aumentado o número de escolhas de programação e opções de interação, podem ajudar a expandir e estender o DLNA para aumentar a escolhas do consumidor. Juntas, DLNA e UPnP fornecem tecnologia de interoperabilidade e inter-acessibilidade dentre de cada rede doméstica, essencialmente criando uma ilha de funcionalidades ricas de mídia em casa.

Novas pontes

Os tipos de pontes que estão disponíveis com o DLNA, porém, podem ser significativamente diferentes das que são oferecidas por pontes legadas.

Hoje, video, Wi-Fi, voz e mesmo serviços de Internet, todos mantém um bem significativo componente de gerenciamento da central de dados que necessita integração da central de dados a recursos de ponte de um serviço para outro. A maneira que se entende convencionalmente para conectar esses serviços requer uma tecnologia física, como IMS (IP Multimedia Subsystem), para conectar um serviço ao outro; um sistema de suporte de operações/negócios (OSS/BSS) para empacotar, ativar e pagar por esses serviços; e finalmente, um ou mais pontes de comunicações específicas para que os vários elementos se comuniquem entre si para produzir a funcionalidade desejada (desde que não interfira com outro serviço).

Esse processo termina sendo bem complicado e formalizado, por isso você não vê funcionalidade de cruzamento entre serviços rapidamente fluindo pelos provedores do serviço.

As pontes dos dispositivos DLNA, porém, são baseadas em oportunidades em que meramente é necessário a presença de dois ou mais dispositivos DLNA em uma rede. Esses dispositivos podem ser telefones, máquinas de faz, sistemas de segurança doméstica, TVs, estéreos, DVRs, junto com dispositivos tradicionalmente ligados em rede como computadores.

O escopo de possíveis dispositivos pode fazer com que o DLNA pareça como algo como um aviso da flexibilidade dos fabricantes para mostrar que os serviços de ponte podem facilmente acontecer tanto em casa quanto  na central de dados. Também poderia reduzir as regras de conexão dos equipamentos dos provedores de serviços como DVRs e modems, Talvez mais importante, uma vez ligado em rede, outros dispositivos DLNA podem conectar essa rede de dispositivos a serviços baseados na Internet, como iTunes, MovieLink e outros.

Como provedores de conteúdo colocam equipamentos DLNA nas residências, os consumidores usarão eles no decorrer do tempo, senão imediatamente. Isso cria uma oportunidade, ou capacidade inata, esperando ser aproveitada.

Atualmente, o DLNA cria uma ilha de mídia em rede dentro de casa – implorando que seja levada ao próximo nível. Enquanto o DLNA tem aspirações de conectar a Internet não gerenciada, isso está além do escopo desse artigo e apresenta uma oportunidade única. Abaixo segue um conjunto de oportunidades para abraçar o  DLNA, expandir seu vocabulário atual e estender seu uso para além do seu domínio atual:

• Continue engajado com o grupo de padronização para garantir que seus dispositivos instalados nas residências dos consumidores se adequem ao DLNA. A chave é empurrar no dispositivo de recursos do DLNA que aumentem a penetração de serviços premium como conteúdo HD.

• Ativar interfaces com o usuário para descobrir outros equipamentos DLNA disponíveis na rede doméstica do consumidor, como receptores de som surround, e dar aos consumidores a opção de rotear o som de suas TVs.

• Estender o DLNA pela hospedagem de dispositivos DLNA virtuais e ultra-confiáveis como servidores de mídia que ofereçam aos consumidores benefícios como armazenamento de mídia, continuamente atualizando recursos do DLNA e mesmo compartilhamento restrito entre duas ou mais residência.

• Implementar DLNA em serviços de telefonia digital ou fornecer uma tradução de conexão entre DLNA  outra formas de comunicação para mais abertura para o aumento da inovação.

Baú do tesouro

O DLNA é uma oportunidade para provedores de serviço se auto afirmarem como dono da mídia dentro das casas dos consumidores enquanto os fabricantes de equipamentos estão começando a abrir seus “baús de tesouros” e expor  todos os seus benefícios para todos de forma a finalmente juntar tudo em um único sistema coeso.

O ponto chave aqui é que a TV – ou sistema de home theater – ainda é o centro de entretenimente e representa amais alta experiência para exibição ou audição dentro de casa. Em anos recentes, o PC tem desafiado isso ocasionalmente, mas ele não pode entregar a mesma qualidade de entretenimento.

O DLNA cria a ponte para que essas mídias pessoais e portáveis fluam para a TV onde podem ser desfrutados em toda a amplitude possível.

Mídia portátil ainda terá seu espaço, assim como o PC, mas arquivos de áudio e vídeo de alta definição se assentam em usos mais tradicionais dos equipamentos eletrônicos como o estéreo e TV. O DLNA apenas modifica esses dispositivos os pouco para estende-los e tem a capacidade de ser a pedra fundamental que liderá  a simplificação da interoperabilidade dos dispositivos e aplicações de mídia dentro de casa.

Fonte: cable360.net